Superliga e Coletando fecham parceria para o carnaval de 2024

Instituições se comprometem a fazer o carnaval mais sustentável, além de gerar renda para os catadores de material reciclável

Lucas Dellatorres

Carnaval na Band Rio

Fique por dentro de tudo que acontece no maior espetáculo a céu aberto do mundo. Lucas Dellatorres, jornalista da TV Band, mostra os detalhes do Carnaval do Rio de Janeiro.

Divulgação / Liga RJ
Divulgação / Liga RJ
Vinicius Fonseca; Pedro Silva; Flávio França
Topo

A Superliga Carnavalesca do Brasil, entidade que organiza os desfiles da Intendente Magalhães, Série Prata, Série Bronze e Grupo Avaliação, deu um passo importante e pioneiro em relação à sustentabilidade. Para diminuir o impacto ambiental com os desfiles, a Liga fechou uma parceria com a Coletando, primeira "social green fintech" do mundo voltada para reciclagem. O Supercarnaval de Sustentabilidade, como foi batizado o projeto, prevê a instalação de ecopontos nas quadras das escolas filiadas, além de pontos de coleta na Passarela do Povo.

Pedro Silva, presidente da entidade, ressaltou a importância da parceria e projetou os benefícios que ela trará ao carnaval.

"Sustentabilidade e práticas de ESG são um dos pilares centrais da nossa gestão. Na busca de novos parceiros para o início e implementação desse projeto, encontramos a Coletando, uma Social Green Fintech, focada em reciclagem, que certamente nos apoiará, guiando a Superliga e suas 81 filiadas pelos melhores caminhos na realização de um evento cada dia mais limpo e com menos impacto para o ambiente”, contou Pedro.

Já Vinicius Fonseca, diretor de negócios da Coletando, afirma que a atitude pode gerar frutos para a sociedade civil.

"Essa parceria é super importante pra nós, pois entendemos que as escolas de samba são instituições culturais, que agem de forma direta e objetiva na mudança de mentalidades e da cultura de um modo geral. Entendendo que o samba pode ser o catalisador para disseminar de forma efetiva e eficaz o tripé da sustentabilidade, ambientalmente correto, socialmente justo e economicamente viável", ressaltou Vinicius.

Será feita a contabilização das emissões de carbono do evento para a compensação por meio de compra de créditos de carbono no mercado e plantio de espécies nativas. Também será feita a coleta dos resíduos pós consumo do carnaval, com a reciclagem das fantasias e adereços das escolas de samba, contribuindo para neutralizar as emissões de carbono, gerando, assim, empregos e renda, além educação ambiental.

“Estamos muito felizes com o que colocaremos em prática em parceria com a Coletando. Essa é uma iniciativa pioneira em se tratando de carnaval, e tem tudo para ser um divisor de águas quando falamos de boas práticas ambientais em desfiles de escolas de samba. Temos certeza de que as nossas filiadas ficarão muito satisfeitas com os resultados que traremos”, comemora Diego Carbonell, diretor de Sustentabilidade da Superliga.