Band Rio

Adeus à Elza: corpo da cantora está no cemitério Jardim da Saudade, Zona Oeste

Familiares e amigos da artista estão no cemitério

Pedro Caruso (sob supervisão de Natashi Franco) 21/01/2022 • 10:15 - Atualizado em 21/01/2022 • 18:18
Fãs chegam ao Theatro Municipal para se despedir de Elza
Fãs chegam ao Theatro Municipal para se despedir de Elza
Marcus Sadok

O corpo da cantora e compositora Elza Soares foi levado para o cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. Familiares, amigos e membros da Escola de Samba Mocidade Independente também estão no local. O sepultamento aconteceu no final da tarde.

A cantora e compositora Elza Soares foi velada em cerimônia aberta ao público no Theatro Municipal, no Centro do Rio. O corpo da “Cantora do Milênio” chegou ao teatro por volta das 7h desta sexta-feira. Inicialmente, a cerimônia foi restrita a amigos. O público geral foi liberado para se despedir da artista às 10h.

Dilma e Virna, filha e neta de Elza, foram as primeiras a chegar. Elas não quiseram falar com a imprensa.

O corpo de Elza ficou até às 14h no Municipal. Em seguida, um carro do Corpo de Bombeiros fez o traslado até o Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. O cortejo passou pela Avenida Atlântica, em Copacabana, bairro que a artista morou por muitos anos.

No Jardim da Saudade aconteceu o último ato de despedida da cantora: Às 16h, foi realizado mais um velório na Capela VIP, localizada no setor do Cristo Redentor.

Elza Soares morreu aos 91 anos em casa, no Recreio dos Bandeirantes, nesta quinta-feira (20). Ela tinha acabado de adquirir uma nova cobertura e sentia-se realizada com a conquista.

"Ela estava bem, gravou o DVD no dia 17 e 18 de janeiro. Acordou hoje e fez fisioterapia. Tudo normal. A gente até percebeu um leve cansaço nela, uma respiração mais ofegante, mas achamos que foi por causa da fisio", detalhou Pedro Loureiro, empresário da artista.

Ele ainda conta que após esse momento, a cantora avisou que iria para o quarto descansar, mas apresentava fala confusa. Ao ser perguntada sobre a necessidade de acionar o serviço médico, Elza afirmou que não tinha necessidade.

Alguns minutos depois, ela dirigiu-se aos familiares e disse: "eu acho que vou morrer".

"Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo. Morreu de causas naturais. Esse, aliás, era um grande medo dela: ter uma morte sofrida, por doença. Hoje, ela simplesmente desligou", conta Pedro.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, decretou luto oficial de três dias na cidade.

A Mocidade Independente de Padre Miguel, escola de samba do coração da cantora, e que a homenageou em 2020, se manifestou pelo Twitter: "Nós não vamos sucumbir nunca", em referência à canção "Libertação", interpretada por ela.