Band Multi

Mortes em confrontos entre policiais e civis caem 30% entre 2020 e 2021

Em 2020 foram 814 casos e em 2021 570; a taxa é de 1,2 mil casos para cada grupo de 100 mil habitantes

BandMulti 29/06/2022 • 05:38 - Atualizado em 29/06/2022 • 05:38
Hoje há mais de 8 mil equipamentos em pleno funcionamento em 49 batalhões do Estado
Hoje há mais de 8 mil equipamentos em pleno funcionamento em 49 batalhões do Estado
Rovena Rosa/Agência Brasil

As mortes em confrontos que envolvem policiais militares e civis em serviço e fora de serviço apresentaram queda de aproximadamente 30% entre 2020 e 2021 no estado de São Paulo. A informação está destacada no 16º Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgado nessa terça-feira, pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

De acordo com o levantamento, em 2020 foram 814 casos e em 2021 570. A taxa é de 1,2 mil casos para cada grupo de 100 mil habitantes, ou seja, mais de duas vezes menor que a média nacional que é de 2,9.

O governo do Estado credita a redução a políticas públicas adotadas como os programas de controle. Um deles foi a implantação das câmeras corporais nos uniformes dos policiais militares. Atualmente há mais de oito mil equipamentos em pleno funcionamento em 49 batalhões do Estado, sendo que o número deve chegar a 10 mil até o final deste ano.

Outra medida, segundo o Estado, foi o investimento em armas não letais. São Paulo já conta com cerca de 7,5 mil armas de incapacitação neuromuscular, o que a torna a terceira maior força policial no mundo a utilizar esse tipo de equipamento – atrás apenas das polícias de Nova York (EUA) e Londres (Reino Unido).

As duas iniciativas, ainda segundo o Estado, se somam a outras, como o investimento contínuo em capacitação teórica e prática dos policiais e em instrumentos de tecnologia. O governo cita ainda a forte atuação das Corregedorias de ambas as polícias, bem como a criação de uma Comissão de Monitoramento da Letalidade, em dezembro do ano passado. O grupo é formado por membros da Secretaria de Segurança Pública (SSP), representantes das polícias Militar, Civil e Técnico-Científica, do Ministério Público e Defensoria Pública do Estado, do Instituto Sou da Paz e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, visando a garantir a redução desse indicador por meio do aprimoramento das estruturas investigativas.

Policiais Militares e Policiais Civis mortos

A divulgação do 16º Anuário Brasileiro de Segurança Pública também mostrou que as mortes de policiais civis e militares, em serviço e fora de serviço, caíram pela metade. Em números absolutos os casos em 2020 foram de 49 para 25 em 2021.