Band Vale

Taubaté, Capital Nacional da Literatura Infantil celebra 13 anos no próximo mês

O berço de Monteiro Lobato, a cidade também conta com escritores locais que relatam falta de investimento na cultura.

Por Laboratório da Notícia

Taubaté - Literatura
Taubaté - Literatura
Divulgação

Há 13 anos, a Lei 12.388/11 transformou Taubaté na Capital Nacional da Literatura Infantil. O berço de um dos maiores escritores brasileiros, Monteiro Lobato, preserva até hoje as memórias dele. As famosas aventuras de Emília e seus amigos fazem parte de um rico acervo que fica no Sítio do Pica Pau Amarelo, local que homenageia o “Pai da Literatura Infantil”. Por outro lado, escritores locais afirmam que o poder público apoia pouco o setor.

O Museu Histórico Folclórico e Pedagógico Monteiro Lobato foi criado no dia 4 de novembro de 1958. O espaço tem cerca de 20 mil m² e é constituído pela casa onde Lobato viveu durante a infância. O casarão é uma lembrança de quando Taubaté fazia parte das “Cidades do Café”, e seguia um modelo arquitetônico nos padrões europeus, com construção da América Colonial. 

O Sítio do Pica Pau Amarelo pode ser visitado na Chácara do Visconde, bairro da região central. O turista pode conhecer de perto onde foram inspiradas aventuras de Emília, Narizinho, Pedrinho e outros personagens, como a tia Nastácia, Dona Benta e o Visconde de Sabugosa, todos clássicos da literatura nacional.  Mas nos dias de hoje, o setor cultural da cidade reclama da falta de apoio para desenvolver novos volumes literários na capital da literatura infantil.

A escritora taubateana Karina Aldrighis, começou a escrever poemas aos 12 anos de idade, influenciada por Cecília Meireles. Ela sempre foi apaixonada pelo universo da Literatura Infantil e se inspira nas lembranças e vivências da própria infância. 

Karina participa de iniciativas não governamentais, como a Academia Taubateana de Letras (ATL) e a Academia Valeparaibana de Letras e Artes (AVLA). Ela conta a forma que as histórias do Sítio influenciam as suas obras. “Taubaté é o berço da obra de Monteiro Lobato, convivi muito com os personagens de seus livros na minha infância. Eu acho que as crianças da minha época também conviveram muito com estes personagens. Pessoas de toda uma geração foram moldadas e embaladas por suas histórias, então acho que não há como negar a importância da colaboração deste ilustre taubateano para Literatura da nossa cidade e para a literatura nacional.”

Para Karina, a literatura infantil é fundamental para a formação na educação e no caráter de uma criança. Em sua obra “Ninho de Borboletas”, ela destaca que a literatura infantil requer muita sensibilidade, pois para as crianças, tudo é novo. O livro é composto por 30 poemas infantis, que já está em sua 2ª edição e em uma versão bilíngue (inglês e português). 

“Billy, o cavalinho voador”, por J. Robson J. 

Inspirado em um amigo imaginário da infância, o escritor também natural de Taubaté, J. Robson J., escreveu a história do “Billy, o cavalinho voador”. São 5 livros que giram em torno das aventuras do personagem Billy. A obra conta com diversas ilustrações, porque segundo o autor, as crianças são atraídas pelas imagens e tem a necessidade de visualizar aquilo que ela está lendo. 

O escritor explica o que traz inspiração para escrever para o público infantil, “Eu me transporto para o mundo infantil, me considero uma criança. É uma escrita leve. Quando você está em momentos difíceis da vida, que todos nós passamos, a escrita infantil é uma atividade prazerosa.” 

Incentivo para os escritores

No entanto, os escritores locais sentem que o título de “Capital Nacional da Literatura Infantil”, não trouxe benefícios, muito menos incentivos para os escritores. Para Karina Aldrighis, a cidade apresenta projetos interessantes para estimular a literatura local, como a Feira Literária Infantil de Taubaté e a Bienal Literária, porém “tanto a iniciativa pública quanto a privada poderiam fazer mais, há verbas específicas da Secretaria de Cultura para estes fins, que poderiam ser mais bem aproveitadas em prol dos escritores locais para a divulgação de seus nomes”, destaca. 

O Sítio do Pica Pau Amarelo transmite a importância do legado que Monteiro Lobato deixou para Taubaté e para o Brasil. Segundo o coordenador do sítio, Wallace Ferreira, são obras consideradas atemporais e mostram a forma como os personagens contribuem para a própria evolução. No local, os visitantes trabalham o lúdico, por meio de oficinas, teatro, brincadeiras e na interação com os personagens.

Já para o escritor J. Robson J., “a cidade de Taubaté não pode girar em torno do Sítio. O espaço é maravilhoso, mas o município não explora outras iniciativas da literatura infantil.”

Ele ainda comenta que o título é bem adequado para Taubaté, pois a cidade é um ‘ninho de escritores’ da literatura infantil, porém “o título não trouxe benefícios e incentivos para os autores. O escritor precisa de um espaço para expor o trabalho. A cidade tem um potencial na Literatura Infantil, com grandes escritores, mas que não tem oportunidades para se destacar”. 

Por meio de nota, a Prefeitura de Taubaté informou que no momento não possui um edital publicado para apoio a publicações de livros, pois está em fase de elaboração do Plano Municipal de Cultura. Ainda segundo a administração, esse documento estabelece diretrizes e metas das Políticas Culturais do Município, inclusive voltadas para a área da literatura. 

Serviço: Visitação ao Sítio do Pica Pau Amarelo
Avenida Monteiro Lobato, s/n – Chácara do Visconde, Taubaté – SP

Horário de funcionamento: 
Terça-feira a sábado, das 9h até às 16h30
Domingos e feriados, das 11h até às 16h30
Entrada gratuita

Por Sara Teixeira
Estagiária* - projeto sob a supervisão de Nelson Gazolla - MTb: 74.409/SP
Direção de Conteúdo - Cláudio Nicolini

Tópicos relacionados