Melhor da Noite

Zico fala sobre paixão pelo Rio de Janeiro e relembra o início da carreira

Ídolo do Flamengo diz que ainda frequenta a casa em que nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro

Da Redação

Grande ídolo do Flamengo, Zico foi ao Melhor da Noite desta sexta-feira (01) e relembrou sua história com o Rio de Janeiro, que faz aniversário e completa 459 anos hoje. Ao visualizar fotos do passado, o ex-jogador se deparou com pessoas, lugares e situações que foram importantes para o início da sua trajetória de sucesso no futebol. 

Zico conta que tem um amor enorme pelo Rio de Janeiro e diz que sua grande paixão é a lagoa Rodrigo de Freitas. O ídolo do Flamengo não imaginava que o seu destino reservava algo especial para sua vida profissional – e bem próximo da lagoa que ele tanto ama: “Por incrível que pareça, depois de um tempo eu vim trabalhar do lado [da lagoa]”. 

Ao fazer uma visita no passado, Zico conta que o Juventude é o time em que tudo começou: “Eu jogava futebol de salão, e foi jogando futebol de salão que o Celso Garcia, que morava em Quintino também, me viu jogar e dali fui para o Flamengo”

Ao ver algumas fotos da infância durante o Melhor da Noite, o craque revelou que sua casa no subúrbio do Rio, onde viveu grande parte da sua infância e adolescência, está meio “relaxada”, mas que ainda organiza festas por lá: “A gente ainda faz as festas juninas, fazia os jogos de futebol de salão, os grandes churrascos, festas, Carnaval (...). Foi a casa em que nasci, nasci de parteira na época”. 

Zico foi para o Flamengo quando tinha apenas 14 anos e contou que, apesar de ser um bom aluno na maior parte do tempo, quase “rodou” na escola para ver os treinos do irmão. No entanto, o ex-jogador garante que se formou na escola e faculdade. 

Encontro com Tom Crouise

Glenda relembrou do dia em que entrevistou Zico no Maracanã com a presença de Tom Crouise. A apresentadora do Melhor da Noite contou que até o grande ator de Hollywood ficou impactado com a presença do atleta: “Tom Crouise dizia: ‘Oh my god, its Zico’ (meu Deus, é o Zico)”, relembrou Glenda.

Emocionada com o encontro, Glenda elogiou o bom-humor do craque e ressaltou que nunca o viu de mau-humor: “É uma história brilhante dentro de campo, aliado à história mais brilhante ainda fora de campo. Porque o Zico é assim a vida inteira. Desse jeito. Ele fala com todo mundo, tira foto com todo mundo, não tem tempo ruim. Está sempre sorrindo, nunca vi de mau-humor."

Tópicos relacionados