Bora Brasil

Icebergs, sobrevoo de helicóptero e até museu: uma expedição na Antártica

Mais de 50 navios possuem autorização para navegar até o polo sul. Para poder explorar e realmente pisar no continente antártico é preciso fazer um cruzeiro de expedição

Por André Coutinho

As condições climáticas adversas fazem da Antártica o único continente da terra que não possui uma população permanente. Mas no verão, entre os meses de novembro e março, o clima mais ameno atrai viajantes do mundo inteiro. 

Somente na temporada passada, o número de turistas chegou próximo a 105 mil, um recorde histórico. E quase 99% deles embarcaram em navios de cruzeiro

"Passa um pouco das 6 horas da tarde, estamos deixando o continente sul-americano para trás, deixando Ushuaia, na Argentina. Estamos começando a nossa jornada, a nossa expedição rumo a Antártica. Em pouco mais de dois dias estaremos no continente gelado"

Mais de 50 navios possuem autorização para navegar até o polo sul. Para poder explorar e realmente pisar no continente antártico é preciso fazer um cruzeiro de expedição. Embarcamos no Scenic Eclipse 2, que foi totalmente projetado para ambientes extremos. Um super iate de luxo, capaz de tornar essa jornada muito mais confortável, inclusive para superar a temida Passagem de Drake, essa parte do Oceano entre a América do Sul e a Antártica, considerada uma das mais perigosas dos mares.

Chegando ao continente gelado, tudo fica para trás. A exuberância da paisagem, os icebergs, os tons do gelo… Iniciamos uma série de oito dias seguidos explorando a região, começando por uma grande área abaixo do Círculo Polar Antártico. Não há portos ou piers, então a forma de sair e voltar para o navio é por meio de modernos botes infláveis.

Os zodiacs são capazes de chegar a alguns lugares que o navio, com o tamanho dele, não pode chegar. Passando por entre os icebergs, tem alguns blocos de gelo que estão soltos e esse barquinho aqui tem essa capacidade incrível de se meter em lugares que a gente nem imagina.

 Os zodiacs levam os turistas para expedições em terra. Conforme as leis da Associação Internacional das Operadoras de Turismo Antártico, há um limite de 100 pessoas que podem ficar no máximo até cinco horas em cada lugar 

Visitamos 16 pontos e caminhamos por oito lugares diferentes da península antártica. Encontramos bases desativadas, que foram usadas por pesquisadores entre os anos 50 e 80 e que atualmente funcionam como museus. 

Antes de todas as expedições com turistas, uma equipe do navio formada por 20 especialistas faz uma vistoria do local a ser visitado. Eles carregam equipamentos, mantimentos e até barracas e alimentos para o caso de o tempo mudar e nós ficarmos impossibilitados de voltar para o navio. 

No dia seguinte, com céu claro e pouco vento, nós tivemos a chance de ver tudo do alto, em um sobrevoo de helicóptero de pouco mais de meia-hora, percebemos as proporções dessa imensidão de gelo. O navio possui duas modernas aeronaves que decolam e pousam da própria embarcação

Se o seu negócio não for voar, que tal passar alguns momentos na ponte de comando do navio, aqui ela é aberta à visitação 24 horas por dia e todos são bem-vindos, foi na ponte de comando que a nossa equipe conversou com o capitão

"Aqui dentro desse iate ultra luxuoso temos todas essas experiências gastronômicas, são 10 restaurantes. Na parte externa, temos um navio muito forte, capaz de superar o gelo, que pode ir praticamente de um polo a outro do planeta. Nós temos helicópteros, submarinos em breve, zodiacs, caiaques.. Temos tudo!", disse o capitão do navio Radomir Novosel. 

Uma viagem de navio para a Antártica custa a partir de 5 mil dólares, cerca de 25 mil reais por pessoa. Esse cruzeiro de expedição ultra luxuoso começa em 14 mil dólares em novembro e sai a partir de 26 mil dólares de dezembro a fevereiro, algo em torno de 130 mil reais por pessoa, com tudo incluído. Para quem tem condições é uma chance única de conhecer o lugar mais remoto da terra com muito conforto e pitadas de aventura.

Banner Whatsapp

Mais notícias

Carregar mais