Notícias

Jovem que teve rosto tatuado com nome de ex foi vítima de agressões recorrentes

Mensagens mostram que garota tentou fazer com que o rapaz aceitasse o fim da relação

Da Redação, com Bora Brasil 23/05/2022 • 08:23

A jovem de 18 anos que teve o nome do ex-namorado tatuado por ele em seu rosto, em Taubaté, interior de São Paulo, foi vítimas de diversas agressões, em momentos diferentes no intervalo de um ano. Ao ter contato com a vítima, o homem descumpriu duas medidas protetivas — uma de 2021 e outra de 2022. 

Apesar de ter uma medida protetiva contra o agressor, a garota voltou a ser vítima na última semana. O homem de 20 anos foi preso no último sábado (21) e passou por audiência de custódia no domingo (22) e teve a prisão mantida pela Justiça. 

No sábado, a mãe da jovem registrou um boletim de ocorrência contra o ex-namorado de sua filha. A garota ficou desaparecida por um dia e foi encontrada com o nome de Gabriel tatuado no rosto.

De acordo com relato da mãe à polícia, o homem agrediu a filha e a imobilizou para fazer a tatuagem. Ela contou que o homem forçou a jovem a gravar um vídeo autorizando a tatuagem. 

A jovem e o rapaz começaram a namorar em 2019. "No começo, ele era um rapaz bom. Mas, após um ano de namoro começaram as crises de ciúme até que, no início de 2020, ocorreu a primeira agressão. Desde então luto para distanciar os dois", afirmou a mãe, Débora, ao Uol. 

Uma troca de mensagens mostra as tentativas da jovem de pedir para que o rapaz aceitasse o fim da relação. Uma resposta em áudio mostra que o homem se recusa a conversar.

Segundo a mãe da garota, a marca no rosto foi a terceira tatuagem feita pelo rapaz na vítima com o seu nome.

O casal ficou oito meses separado e, segundo a mãe, voltou a se encontrar quando ele prometeu que não haveria mais agressões. Mas o rapaz passou a ameaçar a jovem caso esta se separasse dele.

Depois da ocorrência desse fim de semana, a mãe conta que a filha tem chorado muito e que evita deixá-la sozinha.

O caso corre em segredo de justiça e será investigado, a partir desta segunda-feira (23), pela DDM (Delegacia da Mulher) de Taubaté.