Brasil Urgente

Médica debocha ao ser flagrada em festa clandestina: "Vou para onde eu quiser"

Balada de alto padrão em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo, tinha ingressos de até R$ 18 mil

da Redação com Brasil Urgente 19/07/2021 • 17:00 - Atualizado em 19/07/2021 • 17:03
Mulher ofendeu profissionais que atuavam na ação
Mulher ofendeu profissionais que atuavam na ação
Reprodução

A força-tarefa criada para coibir festas clandestinas em São Paulo durante a pandemia do coronavírus interrompeu uma balada de alto padrão neste sábado (17), em um galpão na região de Santo Amaro, zona sul da capital. Durante a abordagem, uma das participantes do evento, uma médica cujo nome não foi divulgado, debochou dos agentes e dos profissionais de imprensa que trabalhavam na ação.  

As imagens, obtidas pelo Brasil Urgente, mostram a mulher saindo do local visivelmente irritada. “Eu, como médica e vacinada, vou para onde eu quiser”, diz, ao ser questionada pelos repórteres a respeito de sua presença na aglomeração.  

“Quer ver minha carteira [de trabalho]? Você nem sabe o que está fazendo. Por que você está aqui? Está vacinado? Me filma mesmo, estou cansada”, completa, atacando um dos cinegrafistas.  

Informada que poderia ser conduzida à delegacia pela participação na balada irregular, ela rebate: “Pode conduzir, meu tio delegado me tira”.  

Durante o bate-boca, a mulher ainda mostrou um crachá do Hospital-Geral do Grajaú, também na zona sul da capital, afirmando que seria funcionária da unidade. A Secretaria de Saúde, no entanto, informou que ela não faz parte do quadro de profissionais da casa e estaria usando o documento indevidamente.  

De acordo com a força-tarefa, havia cerca de 1,5 mil pessoas no local. Os ingressos para o camarote chegavam a custar R$ 18 mil.  

Desacato de socialite

Este é o segundo caso recente de desacato durante abordagens em festas clandestinas na capital paulista. No último dia 11, a força-tarefa interrompeu outro evento de alto padrão no bairro dos Jardins. Na saída, uma das frequentadoras, a socialite Liziane Gutierrez, gritou aos policiais frases como “vão tomar no **” e “vai para a favela”.  

A aglomeração aconteceu em uma casa na rua Canadá e contou com apresentação da dupla sertaneja Matheus e Kauan. Os ingressos custavam entre R$ 1 mil e R$ 1,6 mil.

Em uma rede social em que é seguida por mais de 500 mil pessoas, Liziane, que se descreve como “personalidade de TV, advogada e modelo”, declarou, após a grande repercussão do vídeo, que “errou” e “está mal com a situação”. 

  • festa clandestina
  • São Paulo
  • pandemia
  • coronavírus