Band Rio

Menor que esfaqueou ucraniana é apreendido

O adolescente de 16 anos somava oito passagens na polícia por crimes análogos a furto, roubo e lesão corporal

Felipe de Moura* 24/05/2022 • 16:30
Yulya foi esfaqueada por um criminoso
Yulya foi esfaqueada por um criminoso
Reprodução

Foi apreendido, nesta segunda-feira (23), o jovem de 16 anos que assaltou e esfaqueou uma turista ucraniana no Aterro do Flamengo, na Zona Sul do Rio, no dia 12 de maio. A Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat) deteve o menor em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Segundo a polícia, o jovem já tinha oito registros de ocorrência por crimes análogos a roubo, furto e lesão corporal. A última passagem do menor pelo Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) acabou no dia 10 de maio, apenas dois dias antes dele esfaquear a turista.

O menor foi encaminhado para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)

ENTENDA O CASO

No dia 12 de maio, a ucraniana Yulia Golovko, de 26 anos, passeava de bicicleta com o namorado Kostiantyn Miska, de 33 anos, também da Ucrânia. Os dois saíam do Aeroporto Santos Dumont e iam em direção à Zona Sul, quando o criminoso os atacou na altura do Instituto Fernandes Figueira, próximo ao Monumento a Estácio de Sá, no Flamengo.

Pedalando um pouco à frente da namorada, Kostiantyn, não pôde reagir à abordagem do criminoso. Quando ele se virou, o menor já tinha saído do local e Yulia estava caída no chão, ferida.

Depois do ataque, o casal buscou socorro com policiais militares do Batalhão de Policiamento em Áreas Turísticas. Os agentes levaram Yulya para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Copacabana e, em seguida, ela foi transferida para o Hospital municipal Miguel Couto, no Leblon, de onde teve alta no dia seguinte.

Mesmo sendo esfaqueada várias vezes, as perfurações não atingiram órgãos vitais nem geraram lesão mais graves.

O casal chegou ao Rio cerca de duas semanas antes do crime, depois de passarem um mês na Colômbia. Os dois deixaram Kiev, a capital ucraniana, semanas antes da invasão do país pela Rússia.

A Embaixada ucraniana vem acompanhando o caso e oferecendo apoio ao casal. Os dois tiveram os passaportes roubados pelo assaltante, mas os documentos acabaram sendo encontrados a cerca de 1km do local do crime.

*Estagiário sob supervisão de Natashi Franco