Band Rio

PMs se contradizem em depoimento sobre morte de jovem e padrasto em Anchieta

Os dois foram enterrados hoje, depois de serem baleados no último final de semana

Rafaella Balieiro (sob supervisão de Natashi Franco) 28/09/2021 • 15:46
Os dois foram enterrados hoje, após liberação do corpo
Os dois foram enterrados hoje, após liberação do corpo
TV Bandeirantes

Samuel Bonfim Vicente, 17 anos, e Willian da Silva, 38 anos, foram enterrados hoje, no Cemitério Olinda, em Nilópolis, na Baixada Fluminense. Enteado e padrasto foram baleados no último final semana, em Anchieta na Zona Norte do Rio. Os policiais que atiraram contra os dois apresentaram contradições no depoimento.

Os agentes Leonardo Soares Carneiro e Edson de Almeida Santa Filho estão afastados da corporação. Em um primeiro depoimento, os policiais militares afirmaram que o jovem segurava um fuzil em cima da moto. Já na segunda oportunidade, a arma citada foi uma pistola com quatro munições.

Eles recebem salário para proteger, não para matar. Eles estão fazendo o contrário disso. Eu quero justiça. Hoje eu estou aqui sofrendo, são duas perdas, enterrar meu marido e meu filho de uma vez só”, desabafou Sônia Bonfim, mãe e viúvas das vítimas.

Ainda de acordo com Sônia Bonfim, nenhum dos dois tinham envolvimento com o crime e nem passagens na polícia. Eles trabalhavam em uma farmácia próxima à casa da família.

“Meu filho tinha o sonho de ser militar, tinha tanto amor pela farda e acabou morrendo pela farda. Os policiais estão alegando que eles estavam com armas, drogas, nada disso. Minha nora só tinha passado mal”, comentou Sônia Bonfim.

Durante o enterro, amigos e parentes protestaram exigindo paz para quem mora nas favelas cariocas. Essa não é a primeira vez que a família sente a dor de ter um ente baleado. Há três anos, a irmã de Samuel também levou um tiro de agentes de segurança na mesma região.

“O importante era eles estarem vivos, agora eles não estão mais aqui, não estão vivos. E o pior, ainda saem como se fossem bandidos. Não estava tendo operação, não teve troca de tiros e nem o baile do Chapadão que estão falando, nada disso”, finalizou Sônia.

Na ocasião, Samuel e Willian estavam numa moto levando Camily Apolinário, de 18 anos, namorada do jovem, em uma Unidade de Pronto Atendimento. Eles estavam em uma festa em Vilar dos Teles quando a menina passou mal. Camily também foi atingida no rosto e no pé, mas passa bem.

  • Enterro
  • Baleado
  • Rio de Janeiro
  • Depoimento
  • Polícia Militar