Brasil Urgente

Após ser preso, Cupertino comeu esfiha e disse que não conhecia Rafael Miguel

Certo de que não conseguiria fugir por mais tempo, Cupertino demonstrou um misto de surpresa e preocupação quando foi detido

Marcelo Moreira 17/05/2022 • 17:37 - Atualizado em 17/05/2022 • 17:41
Após ser preso, Cupertino comeu esfiha e disse que não conhecia Rafael Miguel
Após ser preso, Cupertino comeu esfiha e disse que não conhecia Rafael Miguel
Reprodução

O empresário Paulo Cupertino comeu esfihas e até brincou com os policiais da divisão de capturas logo após ser preso.

Certo de que não conseguiria fugir por mais tempo, Cupertino demonstrou um misto de surpresa e preocupação quando foi detido.

A equipe do Brasil Urgente tentou gravar uma entrevista com o acusado de triplo homicídio. O repórter Marcelo Moreira chegou a ficar por 20 minutos com ele, que preferiu evitar a câmera.

Cupertino fugiu das perguntas mais objetivas e voltou a negar que cometeu o crime. Ele afirmou que não chegou a conhecer o ator Rafael Miguel e nem os pais dele.

Questionado sobre os três anos em que ficou foragido, o acusado evitou dar detalhes, mas afirmou que não teve ajuda do crime organizado ou de amigos do bairro para permanecer tanto tempo desaparecido.

Imagens mostram Cupertino sendo preso

Prisão de Paulo Cupertino

Cupertino foi preso na última segunda-feira (16), quase 3 anos depois da morte do ator Rafael Miguel e dos pais dele. O crime ocorreu em 9 de junho de 2019. O ator de 22 anos foi morto ao deixar a jovem Isabela Tibcheran, filha de Paulo, em casa no bairro Pedreira, na zona sul de São Paulo, em junho de 2019. Eles voltavam de uma festa junina com João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, de 50 anos - ao chegar, todos foram surpreendidos pelo pai da menina. Um ano depois das mortes, a prisão temporária decretada se tornou preventiva.

O empresário é acusado de atirar 13 vezes em Rafael Miguel, João Miguel e Miriam Miguel por não aceitar o relacionamento da filha com o ator. Ele estava foragido desde os crimes.

Paulo Cupertino Matias, apontado como o assassino da família, tem uma ficha com ao menos nove crimes registrados entre 1990 e 1999.