Notícias

Caso Henry: defesa vai ao MP por novo depoimento de Monique Medeiros

Advogados afirmam que querem resgatar a verdade e que nada justifica a demora na resposta sobre uma nova audição

Da Redação, com BandNews FM 19/04/2021 • 21:12 - Atualizado em 19/04/2021 • 22:22

A defesa de Monique Medeiros, mãe do menino Henry, de 4 anos, disse que recorreu ao Ministério Público para que a professora possa prestar um novo depoimento à Polícia Civil. As informações são de Rafaela Cascardo, da BandNews FM Rio.

Em nota, os advogados afirmaram que querem resgatar a verdade e que nada justifica a demora na resposta sobre uma nova audição. Eles também falaram que pediram ao MP um promotor especial para acompanhar o inquérito. 

Monique trocou de defesa na semana passada. Anteriormente, ela e Jairinho, acusado de agredir o enteado, dividiam o mesmo advogado. 

Os novos defensores de Monique justificar a ida da mãe de Henry a um salão de beleza após o enterro da criança para fazer a manutenção do mega hair, método de alongamento de cabelos. A professora teria alegado que o nervosismo a fez arrancar tufos de cabelo da cabeça. 

A Polícia disse que deve decidir até esta terça-feira (20) se vai ou não ouvi-la novamente.

Enquanto isso, o pai do menino Henry, Leniel Borel, criou um abaixo-assinado online pra pedir a aprovação de um projeto de lei que aumenta de um terço até a metade, a pena de crimes cometidos por pais ou por padrasto ou madrasta. 

Leniel disse que o objetivo da campanha é pedir que o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), acelere a votação do projeto. 

A Polícia disse que deve concluir até sexta-feira (23) as investigações que apuram a morte de Henry Borel. Até o momento, os investigadores afirmam que há provas suficientes que apontam o vereador Jairinho como o responsável pelo assassinato. A polícia acredita que a mãe de Henry, Monique Medeiros, foi conivente porque sabia das agressões e mentiu para proteger o namorado. 

Henry Borel: saiba tudo sobre a investigação que levou Jairinho e Monique Medeiros para a cadeia 

A hipótese de acidente já foi descartada. Os peritos cravam que o menino de 4 anos foi agredido até a morte no dia 8 de março. 23 lesões foram encontradas no corpo do garoto. De acordo com o laudo, a sessão de tortura durou cerca de quatro horas. Especialistas acreditam que o garoto pode ter morrido por volta das 23h - quase cinco horas antes de ser levado ao hospital. 

Jairinho é vereador do Rio de Janeiro e era padrasto da criança, que morreu em 8 de março. Em 8 de abril, ele e a mãe de Henry, Monique Medeiros, foram presos temporariamente. O casal é investigado sob suspeita de homicídio duplamente qualificado (com emprego de tortura e sem chance de defesa à vítima), de atrapalhar as investigações e ameaçar testemunhas do caso. 

  • monique medeiros
  • henry borel
  • jairinho
  • polícia