Economia

Poupança deve voltar a render pela regra antiga com a alta da Selic; entenda

Copom deve decidir por novo aumento na taxa básica de juros, que incide sobre o cálculo desse investimento

Vanessa Selicani, do Metro Jornal, com Jornal da Band 07/12/2021 • 06:50 - Atualizado em 08/12/2021 • 14:21

O Copom (Comitê de Política Monetária), órgão do Banco Central, volta a se reunir nesta quarta-feira (8) para decidir como ficará a taxa básica de juros, a Selic. A expectativa do mercado é de que a alta, motivada pela inflação ainda acelerada, alcance 1,50 ponto percentual, e eleve a taxa a 9,25% ao ano. 

O novo valor altera a forma de cálculo da poupança, investimento mais utilizado pelo brasileiro. Atualmente, o rendimento equivale a 70% do valor da Selic mais a Taxa Referencial, zerada pelo BC. 

Mas, desde 2012, uma nova fórmula foi inserida para quando a Selic ultrapassa 8,5%. Neste caso, o rendimento fica fixado em 0,5% ao mês ou 6,17% ao ano, cálculo que vale de forma permanente para todas as poupanças criadas antes de 2012. 

Na prática, o lucro com a poupança ainda ficará abaixo da inflação. Por exemplo, na fórmula atual com a Selic a 7,75%, investindo R$ 1 mil, o rendimento no ano é de R$ 54 em um ano. Já com a Selic a 9,25% sem TR, renderia R$ 61.

O fundador do buscador de investimentos Yubb, Bernardo Pascowitch, afirma que a mudança vai deixar o investimento um pouco mais vantajoso. “É uma remuneração nominal, ou seja, o número é mais interessante, mais alto. Mas o que realmente vai ditar a situação da poupança é a inflação e, com os preços em alta, ela continua perdendo", analisou.

Para os mais conservadores, ele recomenda a migração para investimentos como os CDBs com liquidez diária e o Tesouro Selic ou outros títulos do Tesouro Direto. 

A especialista em investimentos da Magnetis Andressa Siqueira também vê melhoria na rentabilidade da poupança, mas ainda muito distante de tornar o investimento uma boa escolha. 

“Não tem sentido nenhum deixar o dinheiro parado na poupança se há opções que trazem mais rentabilidade. Se a pessoa precisa de liquidez, é importante fazer planejamento e manter reserva, mas mesmo assim existem CDBs e títulos do tesouro que podem ser resgatados no mesmo dia", disse.

Vídeo: pandemia deixou ricos mais ricos e aumentou desigualdade, aponta estudo