Fórmula 1

Bernie Ecclestone é preso com arma de fogo em aeroporto no interior de SP

Ex-chefão da Fórmula 1 tentava embarcar com pistola na bagagem; ele pagou fiança e foi liberado

Emanuel Colombari e Pedro Campos 26/05/2022 • 09:07 - Atualizado em 26/05/2022 • 11:12
Ex-chefão da Fórmula 1 tentava embarcar com pistola; ele pagou fiança e foi liberado
Ex-chefão da Fórmula 1 tentava embarcar com pistola; ele pagou fiança e foi liberado
F1

Bernie Ecclestone, ex-diretor-executivo da Fórmula 1, foi preso na noite desta quarta-feira (25) em Campinas (SP), a cerca de 115 km de São Paulo, quando tentava embarcar no Aeroporto Internacional de Viracopos.

De acordo com a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo), uma pistola sem munição e sem carregador foi encontrada na bagagem do dirigente durante inspeção da Polícia Federal no porão do aeroporto, realizada por volta das 21h30. A arma, uma L. W. Seecamp calibre 32, não tinha documentação regular.

Ecclestone foi conduzido pela PF à 4ª Deatur (Delegacia de Polícia de Atendimento ao Turista), da Polícia Civil, no próprio aeroporto. O britânico informou ser proprietário da arma, mas alegou não saber que ela estava em sua bagagem.

Após ser ouvido, Ecclestone foi autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo, mas acabou liberado após pagar fiança de R$ 6.060,00. Depois disso, embarcou em voo privado para a Suíça.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do aeroporto de Viracopos informou em nota que “não pode se manifestar sobre ocorrências criminais e nem fornecer imagens, por orientação das autoridades de segurança”.

Homem forte da Fórmula 1 até 2017, quando negociou os direitos da categoria com a Liberty, Bernie Ecclestone esteve no Brasil nas últimas semanas acompanhando diversos eventos automobilísticos – entre eles, o lançamento da Fórmula 4 Brasil.

Em 2016, a sogra de Bernie Ecclestone foi sequestrada em São Paulo. Aparecida Schunck Flosi Palmeira passou nove dias em um cativeiro na cidade de Cotia (SP), região metropolitana da capital paulista, até ser libertada por policiais. Três suspeitos foram presos.