Fórmula 1

Mercedes, F1 e FIA repudiam declarações racistas após entrevista de Piquet

Equipe e entidades saíram em apoio a Lewis Hamilton, alvo de expressões do tricampeão

Da redação 28/06/2022 • 08:10 - Atualizado em 28/06/2022 • 09:34
Equipe e entidades saíram em apoio a Lewis Hamilton, alvo de expressões do tricampeão
Equipe e entidades saíram em apoio a Lewis Hamilton, alvo de expressões do tricampeão
Mercedes AMG F1

A Mercedes, a Fórmula 1 e a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) divulgaram notas nesta terça-feira (28) em apoio a Lewis Hamilton e contra manifestações de racismo.

Os posicionamentos ocorrem após vir à tona uma entrevista de Nelson Piquet, na qual o tricampeão usa repetidas vezes um termo racista para se referir ao britânico. As declarações de Piquet foram dadas em novembro de 2021 ao jornalista Ricardo Oliveira.

Em seu comunicado, a Mercedes condena “nos mais fortes temos qualquer uso de linguagem racista ou discriminatória de qualquer tipo”.

“Lewis sempre liderou os esforços de nosso esporte para combater o racismo, e é um verdadeiro campeão da diversidade dentro e fora da pista”, diz a equipe. “Juntos, nós compartilhamos uma visão por um automobilismo diverso e inclusivo, e este incidente destaca a fundamental importância de continuarmos a nos esforçar por um futuro mais brilhante.”

Na mesma linha, a Fórmula 1 disse que “linguagem discriminatória ou racista é inaceitável em qualquer forma e não tem espaço na sociedade”.

“Lewis é um incrível embaixador de nosso esporte e merece respeito”, afirma o comunicado. “Seus incansáveis esforços para aumentar a diversidade e a inclusão são uma lição para muitos, e algo com os quais estamos comprometidos na Fórmula 1.”

A FIA, por sua vez, informou em sua nota nas redes sociais que “condena fortemente qualquer linguagem ou comportamento racista ou discriminatória, que não têm espaço no esporte ou na sociedade”.

“Expressamos nossa solidariedade a Lewis Hamilton e apoiamos plenamente seu compromisso com a igualdade, a diversidade e a inclusão no automobilismo”, acrescenta.