Jogo Aberto

Politicagem? Jogo Aberto discute sétima Bola de Ouro de Messi

Vitória do craque argentino no prêmio de melhor jogador do mundo esquentou o debate

Da Redação, com Jogo Aberto 30/11/2021 • 16:35 - Atualizado em 30/11/2021 • 16:52

Lionel Messi conquistou pela sétima vez a Bola de Ouro da France Football de melhor jogador do mundo, mas, diferentemente de outros anos, a vitória do astro argentino dividiu opiniões. Isso aconteceu inclusive durante o debate do Jogo Aberto desta terça-feira (30). 

“O Messi merece sempre, um dos maiores da história e será eterno. Mas se analisar friamente o Lewandowski merecia mais pela infinidade de prêmios individuais e gols que faz. Por mais que o Messi seja tecnicamente o melhor, sem contar números, a escolha talvez tenha sido mais política e simbólica, além de levar em conta o título da Copa América pela Argentina, o que não acontecia há muito tempo”, avaliou Chico Garcia.

Denílson foi outro que defendeu que a Bola de Ouro deveria ser entregue a Lewandowski, que acabou com a segunda colocação na disputa. “Desde o Modric não houve outra eleição que não foi unânime. Agora teve muita gente revoltada, questionando. Eu teria dado para o Lewandowski, mas a Bola de Ouro está em boas mãos”. 

João Paulo Cappellanes foi mais duro ao falar da vitória de Messi. “É preciso separar as coisas. O Messi é o maior que eu vi jogar e somos privilegiados. Mas isso não passa de uma tremenda politicagem. O Messi não está entre os cinco melhores jogadores da temporada passada. O Kanté foi melhor, o Lukaku, o Lewandowski e até o Bruno Fernandes do Manchester United foi melhor. Mas é o Messi. Imagina se o Brasil ganhasse a Copa América? Não teria o mesmo peso. O talento do Messi é incontestável, mas isso não passou de politicagem”. 

Renata Fan, por outro lado, afirmou que diferentemente de outros anos não houve um jogador que impressionasse individualmente e que Messi teve ótimos números mesmo em um Barcelona bem mais fraco que em outros tempos. “Ele é sempre vencedor e merecedor em qualquer circunstância”, disse. “Já que não tem tu, vai tu mesmo”, concordou Ulisses Costa.

João Pedro Sgarbi foi outro que considerou o prêmio justo. “Foi merecido. Este prêmio de 2021 não se baseou apenas em gols marcados. Ele é um gênio e precisamos apreciar enquanto ainda dá tempo. O cara é um monstro”, concluiu.