Notícias

Ação do "novo cangaço" em Itajubá (MG) pode ter relação com o PCC

Suspeitas da investigação mostram possível envolvimento entre esse tipo de quadrilha com o crime organizado

Da Redação 25/06/2022 • 08:32 - Atualizado em 25/06/2022 • 08:53

A ação do “novo cangaço” que aconteceu na última quinta-feira (23) na cidade mineira de Itajubá pode ter envolvimento com o crime organizado. As suspeitas da investigação mostram uma possível relação entre esse tipo de quadrilha com criminosos ligados à facção Primeiro Comando da Capital (PCC) de Campinas e da região metropolitana de São Paulo. 

O cerco à quadrilha ainda é mantido nas cidades do lado mineiro da Serra da Mantiqueira mesmo mais de 40 horas após o assalto. O foco se concentra em Brazópolis, município que registrou confrontos entre bandidos e forças de segurança. A informação é de que os criminosos ainda estariam na zona rural. 

O primeiro veículo dos assaltantes que foi encontrado, diante da agência bancária atacada, estava cercado com galões de gasolina. Como quase todos têm sangue, os indícios são de que há bandidos feridos. Além das munições pesadas, que devem passar por confronto balístico, foram recolhidos miguelitos. 

O objetivo da polícia agora é estabelecer relações com crimes anteriores de Minas Gerais, São Paulo e outros estados. A investigação é conduzida pela Polícia Federal, já que a Caixa Econômica é um banco da União, e importantes trocas são feitas com as polícias civis de SP e MG. 

Novo cangaço em Itajubá

De acordo com a polícia, os criminosos, ao entrarem na cidade de Itajubá, em Minas Gerais, assaltaram um casal e levaram o carro em que eles estavam. Em seguida, foram ao bairro Vila Podis, onde fica localizado o 56º Batalhão da Polícia. O caso aconteceu na última quinta-feira (23).

Vídeo: Novo cangaço ataca Itajubá (MG)

No local, atearam fogo em dois carros em frente ao BPM e trocaram tiros com policiais. No confronto, quatro agentes foram baleados e não correm risco de morrer. Um estudante universitário também foi alvejado e socorrido ao hospital da região. Depois da ação no batalhão, eles se dirigiram ao banco. 

Os criminosos fugiram em cinco carros por dois locais. Eles se dividiram e metade do grupo fugiu pela BR 459, sentido à cidade de Pouso Alegre (MG), e a outra em direção ao município de São Lourenço (MG), ambas vizinhas de Itajubá. Um dos veículos usados pela quadrilha foi encontrado em São Bento do Sapucaí, no interior paulista.

Em nota, a Prefeitura de Itajubá informou que não houve vítimas fatais. O caso foi registrado no DP Central da cidade.