Notícias

Alemanha: Igrejas católicas estão sendo demolidas ou readequadas

Nos últimos 10 anos, o número de igrejas católicas em toda a Alemanha tem diminuído. O que isso significa para os fiéis?

Por Deutsche Welle

Recentemente, cinco igrejas católicas encerraram suas atividades em Kiel, uma cidade de 240 mil habitantes no norte da Alemanha, de maioria protestante.

A redução no número de igrejas católicas em Kiel se deve, em grande parte, a dificuldades financeiras. Hoje há apenas uma paróquia, mantendo apenas algumas igrejas em operação, enquanto outras foram demolidas para dar lugar a habitações.

A Igreja da Santa Cruz, localizada no bairro de Elmschenhagen, ainda está de pé, mas já foi oficialmente fechada e desconsagrada, em 19 de novembro de 2022, mesmo diante da oposição de alguns fiéis, como Rüdiger Kirkskothen.

"Todos os nossos esforços de protesto foram inúteis", lamenta Kirkskothen, de 79 anos. "Chegamos até a enviar correspondência para o Vaticano, mas isso também não ajudou."

Kirkskothen, que se mudou para Elmschenhagen em 1980, destaca que o fechamento da igreja teve um impacto ainda mais significativo sobre os moradores mais antigos do bairro. A igreja foi construída em 1956 por imigrantes, que também estabeleceram a congregação.

"Os filhos desses imigrantes vivenciaram a devoção de seus pais, foram batizados e fizeram a comunhão nela. Para eles, era mais do que uma igreja, era o próprio lar", explica, manifestando compreensão diante da tristeza e da frustração resultantes.

Outra igreja que encerrou suas atividades ficava no balneário de Schönberg, perto de Kiel. A comunidade local "quase se desintegrou completamente", relata Kirkskothen. Muitos católicos em Schönberg até mesmo abandonaram a religião católica.

Arquidiocese de Hamburgo está entre as mais afetadas

Nas últimas duas décadas muitas igrejas católicas foram fechadas na Alemanha, e a Arquidiocese de Hamburgo, da qual Kiel faz parte, é uma das mais afetadas por essa tendência.

Segundo a Conferência dos Bispos da Alemanha, 650 igrejas católicas "deixaram de ser utilizadas para adoração" desde 2005, indicando uma "verdadeira onda de secularização". Entre 2019 e 2023, uma média de 28 igrejas foram fechadas por ano em todo o país.

Além de Hamburgo, a tendência também é forte nas dioceses de Aachen e Essen, que enfrentam dificuldades financeiras, ou mesmo em áreas tradicionalmente católicas da Alemanha, como a diocese de Augsburg, onde os bispos alemães estão atualmente realizando sua assembleia geral.

Se anos atrás as estatísticas oficiais da igreja ainda falavam em 24.500 igrejas, hoje o número foi reduzido para 24 mil. Dessas, cerca de 22.800 são patrimônio cultural, o que torna a demolição muito mais difícil.

Essa tendência afeta igrejas católicas com muito mais frequência do que as igrejas protestantes.

Uma queda no número de fiéis

Essa queda no número de templos está em sintonia com uma outra tendência: a perda de fiéis. A cada ano, as duas principais igrejas da Alemanha, a católica e a protestante EKD, estão perdendo centenas de milhares de membros. Desde 2023, menos da metade da população alemã pertence a uma das duas principais igrejas cristãs.

E assim muitas igrejas acabam sendo demolidas. Às vezes algumas são assumidas por outras religiões, como comunidades cristãs ortodoxas. Outras vezes são destruídas para dar espaço a complexos residenciais ou asilos. Ou então são transformados em galerias de arte, pubs ou columbários. Não são apenas organizações religiosas que estão ativamente explorando possíveis reutilizações, mas também arquitetos e urbanistas especializados em eventos.

Além disso, há grupos religiosos dedicados a guardar roupas e objetos usados em cerimônias religiosas. Em um estacionamento subterrâneo em Mönchengladbach, um casal fundou uma associação privada chamada "Forschungsstelle Glasmalerei des 20. Jahrhunderts" (Centro de Pesquisa para Vitrais do Século 20), que tem colecionado vitrais de igrejas desativadas por aproximadamente 30 anos. Atualmente, a coleção conta com muitas centenas. Mas como os fiéis se sentem em relação a isso?

Matthias Sellmann, um teólogo católico da Universidade de Bochum, está familiarizado com essas histórias e compreende profundamente as emoções envolvidas. "As pessoas estão perdendo o lugar onde se conectam com Deus, onde acendem velas, passam pela estátua da Virgem Maria ou simplesmente sentam nos bancos, onde sabem que Deus também se faz presente", disse Sellmann à DW. Ele expressa a preocupação de que, se não houver mais igrejas locais, a sensação de conexão e devoção pode começar a enfraquecer.

Na maioria dos casos, ele afirmou que igrejas com menos de 150 anos ou construídas após a Segunda Guerra Mundial são demolidas ou desconsagradas. E, no entanto, para muitas pessoas, o edifício da igreja faz parte de sua história familiar concreta, como para os fiéis em Kiel-Elmschenhagen. "Significa muito para alguém que sabe que seu bisavô trabalhou nos andaimes ou que sua avó se casou lá; eles ainda conhecem as histórias sobre o cofrinho que foi esvaziado para construir a igreja."

"Você pode ter lido mil vezes no jornal que o papel da igreja está diminuindo ou que o número de membros está caindo rapidamente. Mas quando sua própria igreja é demolida, isso se torna uma realidade. Impacta de maneira pessoal", disse Sellmann. Em muitos casos, os edifícios não eram apenas locais religiosos, mas também tinham significado social, político, arquitetônico ou artístico. "Isso sempre implica na perda de uma referência social fundamental."

Uma sociedade em transformação

O teólogo Sellmann afirmou que também compreende a necessidade de reduzir o número de igrejas. Custa cerca de €100.000 por ano para manter e parcialmente aquecer um edifício de igreja. Enquanto isso, o número de frequentadores está diminuindo. Atualmente, cerca de cinco a seis por cento da congregação ainda participa dos serviços dominicais. Sellmann disse que a perda de uma igreja específica pode ser difícil, mas coisas positivas também podem surgir disso. Outros veem de maneira muito diferente. "É realmente devastador ver a bola de demolição atingir o campanário." O teólogo participou de muitos serviços religiosos em que a congregação se despede de sua igreja e a desconsagra. Isso contribui de maneira positiva para o processo de luto.

Na diocese de Essen, essa é uma realidade bem conhecida. Conforme informações da diocese, menos de um terço das 270 igrejas existentes, aproximadamente 84, serão mantidas "permanentemente como locais de culto" após 2030.

As diretrizes para o encerramento de instalações da igreja foram formuladas pelo escritório de desenvolvimento paroquial na Diocese de Essen. A proposta da diocese inclui a oferta de "lembranças” aos fiéis, tais como cartões-postais, quebra-cabeças, canecas, concertos de corais ou até mesmo a possibilidade de pernoite para crianças e jovens na antiga igreja.

Markus Potthoff, responsável pelo desenvolvimento paroquial em Essen, compartilhou sua observação sobre o luto, a incredulidade e os protestos significativos contra fechamentos anteriores de igrejas. Ele enfatiza a importância da comunicação e destaca a necessidade de "espaço para o luto". Potthoff lembra que, no passado, não era raro que os paroquianos "fossem às barricadas" para resistir ao fechamento de suas igrejas, mas observa que essa prática diminuiu atualmente. Ele atribui essa mudança ao fato de que, após a pandemia de COVID-19, as congregações da igreja simplesmente se tornaram significativamente menores.

No entanto, o teólogo Matthias Sellmann também enxerga sinais de novos começos. Novas formas de vida religiosa estão se desenvolvendo. Ele cita eventos espirituais para jovens como exemplo.

Em Kiel, Kirkskothen disse que agora frequenta os serviços religiosos em um distrito vizinho. "Mas a congregação foi dizimada", disse o aposentado. Apenas cerca da metade ainda está envolvida.

Autor: Christoph Strack

Tópicos relacionados