Brasil Urgente

Casal é trancado em próprio carro durante sequestro em São Paulo

Suspeito foi preso após acidente; comparsa fugiu e ainda não foi identificado

Lucas Martins, do Brasil Urgente 25/11/2021 • 18:34 - Atualizado em 25/11/2021 • 18:35

Um homem foi preso após participar do sequestro de um casal na zona sul de São Paulo. O comparsa dele fugiu e ainda não foi identificado.

Durante o crime, o casal foi mantido preso dentro do próprio carro, uma Fiat Fiorino. Após um acidente, um dos suspeitos foi preso.

Marido e mulher trabalham juntos. Ele era caminhoneiro e viajava pelas estradas do Brasil mais do que ficava em casa. Por isso, fez um esforço para comprar o carro, e agora fazia entregas para uma transportadora que presta serviços ao Mercado Livre junto com a mulher. Até que foram sequestrados.

O bandido, fugindo da polícia, capotou o carro. Agora, até receber o dinheiro do seguro, a renda da família simplesmente não existe.

“Agora, do jeito que ela está, até arrumar... E se não arrumar, não ganhar. Se não ganha, como é que arruma?”, lamentou a mulher, cuja identidade foi preservada.

“Só trabalhando de empregado agora de novo. Faz três meses que eu comprei a Fiorino para trabalhar, para ficar perto de casa, parar de viajar. Agora tenho que voltar a viajar de volta, trabalhar com caminhão de volta, trabalhar viajando de novo”, diz o marido.

O marido ficou na caçamba, trancado, sem ver nada durante o sequestro. A mulher ficou no banco do passageiro, ao lado do bandido, com uma arma apontada para ela.

“Na hora que parou tudo, que eu vi que a polícia chegou, eu disse: ‘Nossa, estou viva ainda’. Mas não sabia nem onde eu estava. Vai virando, você não sabe em que situação se encontra”, relatou ela.

O assaltante que ficou numa moto conseguiu escapar. O bandido que manteve o casal no carro foi preso no local do acidente. Ele não tem passagens policias, mas é suspeito de ter cometido outros crimes na região; por isso, a Polícia Civil faz um levantamento de dados em Boletins de Ocorrência registrados na área.