Notícias

Como elefantes têm causado rusga entre Botsuana e Alemanha

Presidente e ministro do país africano criticam possíveis aumentos de restrições às importações de animais abatidos em caças. Argumentos vão desde a destruição de plantações até mortes de moradores em comunidades.

Por Deutsche Welle

Distantes mais de 8 mil quilômetros, em continentes e realidades completamente diferentes, Alemanha e Botsuana vivem uma rusga devido aos elefantes que vivem no país do sul da África. Mais precisamente, devido à superpopulação de elefantes, a caça deles e os chamados "troféus de caça".

No início deste ano, o ministério do Meio Ambiente da Alemanha sugeriu restrições mais duras para o transporte desses animais – ou partes de restos de seus corpos –, por causa da preocupação com a caça ilegal no país africano.

Nesta quarta-feira (03/04), em uma coletiva de imprensa em Berlim, o ministro do Turismo e do Meio Ambiente de Botsuana, Dumizweni Mthimkhulu, disse que conversou com a ministra do Meio Ambiente alemã, Steffi Lemke (Verdes), e fez um apelo para que o governo alemão não imponha regras ainda mais rígidas.

Mthimkhulu também convidou Lemke para viajar ao país a fim de verificar de perto os estragos que seriam causados pelos animais em diversas comunidades, a exemplo da devastação de propriedades e plantações, além de episódios de pisoteamentos e mortes de moradores. Lemke, porém, disse que não teria tempo para isso.

"Mas seria muito importante que ela o fizesse", argumentou o ministro de Botsuana.

O governo de Botsuana está extremamente preocupado com os esforços de alguns países europeus para proibir a importação de troféus de caça de animais selvagens, o que, segundo Mthimkhulu, é uma fonte de renda importante para a população local, com cerca de 50 comunidades angariando cerca de 2 milhões de euros por ano.

Enquanto ativistas de direitos dos animais pedem há tempos a proibição da importação de troféus de caça de espécies ameaçadas de extinção, Botsuana argumenta que isso impactaria no financiamento de mensalidades escolares de parte da população mais jovem.

A Alemanha é, de longe, o país da União Europeia (UE) que mais importa troféus de caça de espécies protegidas internacionalmente. De acordo com números preliminares da Agência Federal de Preservação Ecológica, foram 650 importações no ano passado, a exemplo de 231 zebras-da-montanha, 109 babuínos ursos e 26 elefantes africanos.

Presidente ameaça enviar 20 mil animais à Alemanha

O presidente de Botsuana, Mokgweetsi Masisi, ameaçou enviar 20 mil elefantes de "presente" para a Alemanha devido à discordância com o governo alemão sobre a importação de animais como troféus de caça, segundo declarações publicadas nesta terça-feira no jornal Bild.

Masisi, neste caso, defende a caça dos elefantes, já que a população da espécie explodiu em Botsuana e, atualmente, é de cerca de 130 mil, a maior concentração da espécie em todo o mundo.

Botsuana proibiu a caça – e, consequentemente, também troféus de caça – em 2014, mas suspendeu a medida em 2019 devido à pressão de comunidades locais – e agora emite quotas anuais para a atividade.

Masisi argumenta que os esforços de preservação levaram a uma explosão no número de elefantes e que a caça é um meio importante para mantê-los sob controle.

"[Os alemães deveriam] viver junto com os animais, exatamente como estão tentando nos dizer [para fazer]", afirmou. "Isso não é engraçado", disse Masisi, que já ofereceu 8.000 elefantes a Angola e outros 500 a Moçambique, na tentativa de combater o que descreve como "superpopulação".

"Gostaríamos de oferecer esse presente à Alemanha", declarou Masisi, acrescentando que "não aceitaria um 'não' como resposta".

Sem legislação à vista

Há quase dois anos, Lemke se manifestou favorável a restringir ainda mais as importações dos chamados troféus de caça para a Alemanha. Mas, concretamente, ainda não haveria uma iniciativa legislativa do governo alemão em relação ao tema.

Mthimkhulu afirmou que, nos diálogos que teve com representantes alemães, também não teve a impressão de que o governo deva tomar uma decisão sobre mais restrições em breve – o que o deixou aliviado.

Antes de ir à Alemanha, o ministro passou pelo Reino Unido e pela França para tratar da mesma questão – e expressar suas inquietações.

Em janeiro, o Parlamento belga decidiu por unanimidade proibir a importação de troféus de caça de espécies ameaçadas de extinção para o país. Por isso, há uma grande preocupação entre os países africanos de que outras nações europeias possam seguir o mesmo caminho.

Em março, o ministro do Meio Ambiente da Namíbia, Pohamba Shifeta, escreveu uma carta à Lemke, na qual conceitua possíveis restrições como "ilegais" e "interferências neocoloniais" em assuntos internos.

Sem comunicado oficial

De acordo com declarações de uma porta-voz do ministério do Meio Ambiente em Berlim, Botsuana não levantou a questão oficialmente. No entanto, segundo ela, o órgão alemão segue em tratativas com países africanos – inclusive com Botsuana – sobre as importações.

"Em meio à alarmante perda de diversidade biológica, temos uma responsabilidade fundamental de fazer de tudo para garantir que a importação de troféus de caça seja sustentável e legal", afirmou.

Ainda conforme a porta-voz, a importação de elefantes africanos como troféus de caça já tem regras determinadas, e as discussões sobre restrições ainda mais severas devem se concentrar principalmente em espécies ameaçadas.

gb/le (AFP, dpa, ots)

Tópicos relacionados

  • Notícias

Mais notícias

Carregar mais