Notícias

CPI da Covid convoca Luciano Hang e advogada de médicos que denunciaram a Prevent Senior

Da Redação 23/09/2021 • 11:06 - Atualizado em 23/09/2021 • 18:21

Os senadores que integram a CPI da Pandemia aprovaram a convocação de Bruna Morato, advogada de médicos que denunciaram a Prevent Senior. Eles marcaram ainda a data do depoimento do empresário Luciano Hang, dono da Havan.

A convocação de Luciano Hang tinha sido aprovada em junho. Ele deve depor na próxima quarta-feira (29). Hang é um dos principais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e foi citado durante as investigações da Prevent Senior --a mãe do empresário, Regina Hang, morreu por complicações da Covid em um dos hospitais do plano de saúde e seu atestado de óbito não citaria o coronavírus como causa da morte.

“Ele, como patriota, um brasileiro que demonstra sê-lo, faz questão, nas suas redes sociais, e que participou ativamente nas discussões sobre tratamento precoce, a gente tem vários vídeos dele participando, com certeza, ficará muito feliz em vir aqui à CPI contribuir com a investigação para que a gente possa ver o que aconteceu, porque estamos chegando a quase 600 mil mortes. É pessoa que participou ativamente dessas manifestações”, afirmou o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI.

Pouco tempo após a oficialização, o empresário postou mensagem em suas redes sociais dizendo que “recebeu com tranquilidade a convocação”.

“Será um prazer estar presente e falar de todo o trabalho que foi feito visando ajudar no enfrentamento da pandemia, buscando auxiliar na saúde do povo brasileiro e também na economia”, afirmou.

De acordo com Aziz, presidente da CPI,  Bruna Morato se dispôs a depor representando os profissionais que denunciaram as práticas da Prevent Senior envolvendo o uso de medicamentos sem eficácia, como a cloroquina, sem o aval de pacientes. Ela prestará depoimento na próxima terça (28).

Os requerimentos foram aprovados durante o depoimento do empresário Danilo Trento, que deveria esclarecer sua ligação no contrato da Covaxin com o Ministério da Saúde. Ele optou por manter-se em silêncio --o STF assegurou a ele o direito de não responder perguntas que possam incriminá-lo.

Na quarta-feira, o diretor da operadora de saúde Prevent Senior foi acusado de mentir e passou a ser investigado pelos senadores. Ele admitiu que orientou os médicos da rede a mudarem o código da doença, obrigatório em toda internação, nos casos de Covid. Segundo ele, isso era feito apenas de forma administrativa, depois de duas semanas de tratamento e melhora, para tirar os pacientes da ala de isolamento.