Notícias

Mãe foi avisada de agressões sofridas por Henry Borel, diz Polícia Civil

Monique Medeiros trocou mensagens com a babá Thayná de Oliveira

Da Redação, com BandNews FM 08/04/2021 • 13:24 - Atualizado em 08/04/2021 • 15:21

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira (08), a Polícia Civil do Rio de Janeiro confirmou que a mãe do menino Henry Borel, Monique Medeiros, foi avisada pela babá, Thayná de Oliveira Ferreira, que o menino sofria agressões um mês antes da morte, em 8 de março. As informações são de Ryan Lobo, da rádio BandNews FM.

Henrique Damasceno, delegado do 16º DP da Barra da Tijuca, afirmou que o início da investigação indicava um acidente doméstico, mas que os depoimentos do vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) e da mãe da criança fizeram com que os investigadores esclarecessem as circunstâncias da morte. O casal foi preso na manhã desta quinta-feira.

Henry foi deixado pelo pai na casa da mãe por volta das 19h30 do dia 7 de março. O menino estava nervoso e subiu com Monique para o apartamento, onde tomou banho. Até então não havia acontecido nenhuma agressão.

Depois, o menino chegou morto ao hospital com a mãe e Jairinho.

Os investigadores descobriram que o telefone da mãe tinha imagens de conversas com a babá e demonstrava uma rotina de violência com o menino.

Thayná afirmou que Henry relatou que o padrasto apertava seu braço e chegou a dar uma rasteira no menino. A babá disse ainda que ele estava mancando e, quando foi dar banho nele, o garoto não deixou porque estava com a cabeça doendo.

Após a morte, o padrasto tentou várias vezes impedir que o corpo fosse para autópsia no IML e garantir que o óbito fosse atestado no próprio hospital. O médico da unidade, quando percebeu o que estava acontecendo, negou firmemente o pedido do padrasto.

O delegado também declarou que a versão de que a relação da família era “harmoniosa” é uma farsa. “A mãe não afastou o agressor. Ela tem obrigação legal, não se trata apenas de uma questão moral”, disse Henrique Damasceno.

Caso Henry: "Provas demonstram atuação clara do casal"

  • Henry Borel
  • Rio de Janeiro
  • Polícia Civil
  • Doutor Jairinho