Notícias

Ministra prevê crescimento do agronegócio do Brasil em 2021 e aposta na China

Tereza Cristina celebrou preço de commodities, "o que anima o produtor rural a crescer sua produção"

Da Redação, com BandNews TV 22/04/2021 • 20:08 - Atualizado em 22/04/2021 • 21:18

Tereza Cristina, ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, demonstrou otimismo nesta quinta-feira (22) com o crescimento agropecuário do Brasil em 2021, mesmo diante dos impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus.

Durante participação no Conexão BandNews com The New York Times, a ministra anunciou “indicativos” de bons resultados na próxima safra. Segundo ela, há uma previsão de crescimento de 7,5% para este ano nos números da agricultura e da pecuária.

“Os preços das commodities hoje são muito bons, o que anima o produtor rural a crescer sua produção”, disse Tereza durante o painel “Agroindústria”.

“A agricultura brasileira ainda tem muito o que crescer. Nós estamos crescendo cada vez mais em produtividade. Podemos irrigar, ainda irrigamos muito pouco. Nós temos nossa pecuária, que cada vez mais tem sido também tecnificada, diminuindo tempo, aumentando a qualidade de sua produção. E temos muita área a ser incorporada, áreas de solos que foram degradados e que estamos incorporando à nossa produção”, afirmou.

Relação com a China

O painel abordou o tema “O que esperar do mundo pós-pandemia?” e contou ainda com as presenças de Yang Wanming (embaixador da China no Brasil), Paulo Herrmann (presidente da John Deere Brasil), João Martins (presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil), Murilo Parada (presidente da Louis Dreyfus no Brasil) e Pietro Labriola (presidente da TIM no Brasil).

O embaixador chinês elogiou as relações com a pasta de Tereza Cristina, que sinalizou reciprocidade e apontou questões de mútuo interesse comercial.

"A ministra afirmou em várias ocasiões que a nossa parceria não deve se limitar ao mero relacionamento de venda e compra, e concordo plenamente. A China está empenhada em trabalhar com o Brasil por uma parceria segura, confiável e duradoura no agronegócio", afirmou o diplomata.

"A nossa cooperação tem um futuro promissor. Os diálogos e consultas entre as autoridades agrícolas dos dois lados têm sido frequentes e fluidos. Isso é fundamental para a nossa parceria", disse Yang Wanming.

Segundo o embaixador, o Brasil é um parceiro confiável no agronegócio. "A parte chinesa está disposta a diversificar a estrutura comercial com o Brasil, agora os produtos principais são a soja, os óleos comestíveis, a carne bovina, o frango e também café e milho, além de frutas. Mas temos que trabalhar mais para diversificar as importações de produtos brasileiros."

Cúpula do Clima

A ministra ainda apresentou um discurso alinhado ao do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que discursou horas antes na Cúpula do Clima. O evento foi organizado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e reuniu líderes globais para debater questões como emissão de gases, aquecimento global e preservação ambiental.

“Temos aqui exemplos para mostrar para todos. O Brasil é responsável por somente 3% das emissões globais de gases de efeito estufa. A agricultura e a pecuária são responsáveis por menos de 1%”, defendeu.

“O presidente fez uma fala firme, mostrando o que o Brasil já fez e o que temos a entregar para o mundo, mostrando que a agricultura brasileira é sustentável.”

Tereza Cristina elogiou ainda a iniciativa de Joe Biden, “para que possamos combater esse problema das emissões conjuntamente”, e destacou os recursos hídricos do Brasil. O país concentra 12% da água potável do planeta.

“É nosso dever manter esse manancial, esse potencial enorme, de uma coisa que é cada vez mais necessária”, declarou.

  • Tereza Cristina
  • Brasil
  • China
  • Agronegócio