Notícias

Araújo diz que não avisou Bolsonaro sobre carta da Pfizer

Farmacêutica pediu celeridade na resposta sobre compra de vacinas, mas correspondência ficou 2 meses parada

Da redação com BandNews TV 18/05/2021 • 14:28

O ex-chanceler Ernaesto Araújo disse à CPI da Pandemia que não avisou Bolsonaro sobre a carta da Pfizer que pedia celeridade na decisão sobre a compra das vacinas. Ele explicou que acreditava que o presidente já sabia sobre correspondência.

Em 15 de setembro a embaixada do Brasil nos EUA enviou um comunicado sobre a carta ao Ministério das Relações Exteriores. Araújo disse que a assessoria internacional do Ministério da Saúde também foi informada.

Na semana passada, o ex-chefe da Secretaria de Comunicação do governo federal, Fabio Wajngarten, disse que a carta ficou parada por dois meses sem resposta de autoridades brasileiras.

O presidente da Pfizer da América Latina relatou que além da carta, o governo Bolsonaro ainda ignorou três propostas de fornecimento e que o país poderia ter recebido 1,5 milhão de doses em 2020 e 18,5 milhões até junho de 2021 caso tivesse celebrado o acordo.

O ex-ministro também falou sobre a decisão de aderir ao consórcio Covax Facility, da OMS. Ele afirmou que a decisão de optar por receber vacinas para apenas 10% da população brasileira em detrimento de 50% foi do Ministério da Saúde.

Araújo citou uma reunião para discutir o consórcio Covax e disse que o presidente Bolsonaro não participou do encontro.

  • Ernesto Araújo