Primeiro Jornal

Homem é preso após ataques racistas e homofóbicos em biblioteca de SP

Vídeos mostram o homem com livros relacionados ao nazismo gritando ofensas racistas e homofóbicas

Da redação 03/08/2022 • 06:58 - Atualizado em 03/08/2022 • 17:50

Um homem de 39 anos foi preso após proferir falas racistas e homofóbicas na Biblioteca Mário de Andrade, espaço público vinculado à Secretaria Municipal de Cultura, no centro de São Paulo, na tarde desta terça-feira (02). 

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram o homem com livros relacionados ao nazismo, discutindo com pessoas que estão no local e gritando ofensas racistas e homofóbicas. É possível identificar o livro "Minha Luta" (Mein Kampf), de Adolf Hitler, na mesa do frequentador. 

Guardas municipais foram acionados para a ocorrência e verificaram que o autor estava ofendendo uma mulher de 39 anos e uma idosa de 66. O caso foi registrado como injúria racial e racismo e ele foi levado para a 77ª Delegacia de Polícia para registro de ocorrência.

Vídeo: delegado fala sobre prisão de acusado de racismo em biblioteca

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, repudiou as falas e atitudes nazistas, homofóbicas e racistas do frequentador. 

“A Biblioteca Mário de Andrade é um espaço marcado pelo respeito às diferenças de gênero, raça, orientação sexual e pela celebração da diversidade. O espaço tem se empenhando em treinar a sua equipe para lidar com atitudes racistas, transfóbicas e misóginas, ao mesmo tempo em que vem desenvolvendo um trabalho de conscientização junto aos seus servidores”, disse a nota.

No Brasil, racismo é um crime inafiançável, pela Constituição Federal, Lei n.º 7.716; pela mesma lei, fazer apologia ao nazismo também é crime, com pena de reclusão de dois a cinco anos e multa.