Notícias

Suspeito confessa crime e diz que corpos de Dom e Bruno foram incendiados no AM

Oseney da Costa e Amarildo dos Santos mataram, esquartejaram e queimaram Dom Phillips e Bruno Pereira após pesca ilegal

Valteno de Oliveira, com Band News TV 15/06/2022 • 13:56 - Atualizado em 15/06/2022 • 19:42

Um dos suspeitos presos pelo desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira, confessou nesta quarta-feira (15) o crime para a Polícia Federal. Oseney da Costa disse que ele e Amarildo dos Santos mataram Dom Phillips e Bruno Pereira no dia 5 após serem flagrados e fotografados por eles pescando ilegalmente

Dom e Bruno foram rendidos e mortos pela dupla. Os corpos foram decepados, esquartejados e queimados, e depois jogados em uma vala na região do Vale do Javari, na Amazônia. 

A informação é do jornalista Valteno de Oliveira, da Band. A Polícia Federal deve dar uma coletiva ainda nesta quarta-feira para dar encerramento ao caso. 

O motivo do crime teria sido a pesca ilegal na região. Estavam pescando pirarucu, foram alertados por Bruno e Dom Phillips que estava fotografando. Eles foram rendidos e levados para uma vala, onde foram mortos e tiveram os corpos esquartejados e incendiados. 

Oseney foi levado no início da tarde desta quarta-feira pela PF para apontar o local do crime. A PF vai dar o caso como encerrado e indicar Oseney e Amarildo pelo assassinato. Também há a suspeita de participação de outras pessoas nas mortes de Dom Phillips e Bruno Araújo Pereira.

Bruno e Dom desapareceram no dia 5 de junho, quando se preparavam para visitar uma comunidade indígena na região Vale do Javari, segundo a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Unijava). 

Bruno era indigenista especializado em povos indígenas isolados e conhecedor da região, onde foi coordenador regional por cinco anos. Já Dom Phillips era veterano de cobertura internacional e morava no Brasil há mais de 15 anos.

O governo federal mobilizou a Marinha, Exército e Força Nacional, enquanto o Amazonas mobilizou as forças de segurança locais em busca do jornalista e do servidor.