Notícias

Retrospectiva 2021: mortes prematuras deixaram o Brasil de luto

Este foi o ano em que milhões de brasileiros tiveram que lidar com o luto e com o avanço da fome

Da redação 30/12/2021 • 06:53 - Atualizado em 30/12/2021 • 12:12

Além das tensões econômicas, humanitárias e ambientais, 2021 foi o ano em que milhões de brasileiros tiveram que lidar com o luto de mortes prematuras de quem fez a diferença na televisão, cinema e música. Veja os detalhes na nossa retrospectiva!

Avanço da fome

Este ano foi marcado pela volta do Brasil ao mapa da fome. Atualmente, pelo menos 27 milhões de brasileiros não têm o que comer. O Grupo Bandeirantes agiu e se juntou a instituições – Gerando Falcões, Amigos do Bem e Cufa (Central Única das Favelas) – para criar a campanha Band Contra a Fome.

Datena até prometeu cantar em troca de doações. Aí não teve jeito: o apresentador soltou a vozoq eu . Ao longo de 54 anos, a solidariedade sempre fez parte da história da Band.

Mundo sob tensão

Em 06 de janeiro de 2021, há duas semanas da posse do presidente eleito Joe Biden, os Estados Unidos viveram um dia sob tensão. Manifestantes favoráveis ao republicano Donald Trump, derrotado nas urnas, decidiram invadir o prédio do Congresso americano durante a sessão de confirmação do resultado da eleição que deu a vitória aos democratas.

Em questão de minutos, uma multidão de apoiadores de Trump quebraram janelas e invadiram o Capitólio. Uma mulher foi morta após ser baleada na confusão. Mais de 90 pessoas foram presas por participarem dos atos criminosos.

Em agosto, o grupo extremista Talibã tomou o poder no Afeganistão após os Estados Unidos tirarem as tropas americanas do país depois de 20 anos. Cenas desesperadoras de afegãos em fuga ganharam o mundo. Multidões tentavam forçar entradas nos aviões. Algumas pessoas caíram de uma aeronave em voo.

CPI da covid-19

A temperatura entre Bolsonaro e Judiciário voltou a subir depois que o ministro do STF Luís Roberto Barroso determinou que o Senado iniciasse a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar suposta omissão do governo durante a pandemia. 

Executivo da Pfizer, laboratório americano que produz uma das vacinas contra a covid-19, confirmou que o governo ignorou diversas propostas de aquisição do imunizante para o começo de 2021.

Médicos da Prevent Senior, operadora de planos de saúde para idosos, denunciaram irregularidades da empresa em relação a pacientes com covid-19. Segundo os denunciantes, mortes teriam sido ocultadas em estudo que visava defender o uso da hidroxicloroquina como “tratamento precoce” da doença, o que é comprovadamente ineficaz pela ciência.

A cúpula da CPI preferiu não indiciar Bolsonaro por homicídio qualificado, mas o presidente foi acusado de nove crimes. Para se defender, o chefe do Executivo disse que o governo fez a coisa certa desde o início da pandemia.

Brasil de luto

O luto também tomou conta de milhões de admiradores de personalidades que contribuíram para a cultura e política do Brasil. Um dos mortos foi o tucano Bruno Covas, então prefeito de São Paulo, vítima de câncer. Tarcísio Meira, ícone das novelas, filmes e teatros brasileiros, morreu de covid-19.

O Brasil chorou com o apagamento do sorriso de Paulo Gustavo, ator conhecido pelo sucesso de “Minha Mãe é uma Peça”. Em meio à delicada e dramática internação por covid-19, a família confirmou o que ninguém estava preparado para ouvir. Prematuramente, morria o artista.

Na música, a voz potente que interpretava composições inspiradoras silenciou-se repentinamente. Na tarde de 5 de novembro, a morte da sertaneja Marília Mendonça foi confirmada. O avião em que ela estava caiu no interior de Minas Gerais. Nenhum dos tripulantes sobreviveu.

Meio ambiente

Imagens chocantes mostravam dezenas de balsas e outras embarcações no Rio Madeira, no Amazonas, numa caça ilegal de garimpeiros por ouro. Na Conferência do Clima, em Glasgow (Escócia), uma indígena brasileira arrancou aplausos ao defender os povos originários como força de combate ao aquecimento global.

Ainda sobre a COP-26, cerca de 200 países assinaram um acordo para reduzirem as emissões de gases do efeito estufa. A proposta pede a reconvocação das nações para revisarem os planos climáticos de 2030. O Brasil defende que os territórios mais ricos precisam abrir a carteira para as metas saírem do papel.

Vídeo: Retrospectiva 2021: um olhar para 2022; assista na íntegra