Fórmula 1

Pai de Verstappen detona Red Bull e credita 3º lugar em Mônaco a erro da Ferrari

Para Jos Verstappen, equipe "teve pouca influência para ajudar Max na frente"

Da redação 31/05/2022 • 09:15
Para Jos Verstappen, equipe "teve pouca influência para ajudar Max na frente"
Para Jos Verstappen, equipe "teve pouca influência para ajudar Max na frente"
Red Bull Racing

O pai de Max Verstappen, Jos Verstappen, criticou o trabalho da Red Bull no Grande Prêmio de Mônaco do último domingo (29). Para o ex-piloto de Fórmula 1, o filho deve a presença no pódio aos erros da Ferrari, e não à própria equipe.

“A Red Bull alcançou um bom resultado, mas ao mesmo tempo teve pouca influência para ajudar Max na frente”, disse Jos, em coluna publicada nesta segunda-feira (30) no site oficial de Max. “Se ele terminou em terceiro, ele deve ao erro da Ferrari na segunda parada de Charles Leclerc”, acredita.

Jos Verstappen classificou o terceiro lugar de Max em Monte Carlo como “muito decepcionante”. No entanto, isentou o filho e deixou claro que o carro teve papel importante no resultado.

“Todos vimos que foi um fim de semana difícil para ele. A começar pelo carro, que ainda simplesmente não tem as características para seu estilo de pilotagem”, criticou, em comentário direcionado à Red Bull. “Max tem pouquíssima aderência no eixo dianteiro. Especialmente em Mônaco, com aquelas curvas de baixa, você precisa de um carro que vire muito rapidamente. Isso foi muito duro.”

Chuva

Jos Verstappen ainda reclamou do atraso na largada do GP de Mônaco. Para ele, a prova deveria ter começado no horário previsto, mesmo sob uma considerável chuva, o que poderia ter tornado a disputa mais imprevisível.

“Acho que eles deveriam ter começado a corrida às 15h (horário local, 10h de Brasília). Hoje em dia, todo mundo no controle da corrida se estressa ao ver as primeiras gotas de chuva”, escreveu.

“É claro, teria sido uma largada caótica e as equipes teriam dúvidas de quais pneus seriam as melhores opções. Mas é isso que as pessoas querem ver”, acrescentou, indo além.

“Agora, temos largadas atrás do safety car – o que, do meu ponto de vista, passa dos limites. Especialmente em um circuito como Mônaco. Vivemos em um esporte competitivo, profissional. Coisas assim não podem acontecer.”

Entre as diversas críticas que o veterano holandês fez em texto, a lista inclui ainda a falta de aderência de pneus de chuva (“eles precisam assegurar que os pneus consigam lidar com três centímetros de água”) e com o que considera um excesso de bandeiras vermelhas (“elas vêm muito rapidamente hoje em dia”).