Notícias

Combatente publica imagens de resistência em Mariupol pouco antes de ser preso

Centro de Comunicações Estratégicas da Ucrânia publicou trecho de documentário com as imagens

Narley Resende 21/05/2022 • 11:55 - Atualizado em 21/05/2022 • 15:13

O Centro de Comunicações Estratégicas e Segurança da Informação da Ucrânia publicou neste sábado (21) um vídeo com imagens da resistência de soldados ucranianos em Mariupol, que terminou na última semana.  

As imagens integram o documentário "The Last Day at Azovstal" - o último dia de Azovstal, em tradução livre, em referência à usina siderúrgica, que foi o último ponto de resistência ucraniana em Mariupol contra soldados da Rússia

Entre as imagens, a produtora do documentário publicou fotos do soldado ucraniano Dmytro Kozatsky, do regismento Azov, que seria do último dia de resistência na fábrica Azovstal, que estava sitiada.

Segundo o Centro de Comunicações da Ucrânia, o soldado foi levado no dia seguinte a um cativeiro russo, mas antes entregou as imagens a documentáristas.  

"É isso. Sou grato ao Azovstal pelo abrigo - o lugar da minha morte e da minha vida", disse Dmytro 'Orest' Kozatsky em seu post no Instagram, publicado na sexta-feira. 

O combatente do regimento Azov disponibilizou gratuitamente sua fotografia da siderúrgica sitiada Azovstal, pedindo que fosse compartilhada o máximo possível. 

Algumas dessas fotografias já se tornaram virais revelando a situação dos combatentes do regimento Azov, principalmente os feridos. 

“A propósito, enquanto estiver em cativeiro, deixo as minhas fotos, candidatem-me a todos os prémios de jornalista e concursos de fotografia para mim. Se eu conseguir algo, ficarei muito feliz em saber sobre isso depois que eu for liberado. Obrigado a todos pelo apoio. Nos vemos”, escreveu.

Fim da resistência

O Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia confirmou em comunicado na última terça-feira (17) que retirou suas tropas da usina siderúrgica de Azovstal, último ponto de resistência ucraniana em Mariupol. 

Com isso, depois de meses de bombardeio, a cidade portuária passa a ser controlada pela Rússia. A perda de Mariupol é considerada uma derrota significativa para a Ucrânia.