Mitre: a opinião dos brasileiros sobre o ato de Bolsonaro em SP

Fernando Mitre

Começou a carreira em Minas Gerais, onde passou por vários jornais, como “Correio de Minas” e “Diário de Minas”. Em São Paulo, integrou a equipe que criou o Jornal da Tarde, de o “Estado de S Paulo”. Dez anos depois, virou diretor de redação, posto que ocupou mais tarde, em duas outras oportunidades. Depois, assumiu a direção nacional de Jornalismo da Rede Bandeirantes, cargo que ocupa até hoje. Nesse período, produziu mais de 30 debates eleitorais, entre eles o primeiro presidencial da história do país na TV, em 89. É comentarista político no Jornal da Noite e entrevistador do programa político Canal Livre. Entre os diversos prêmios que recebeu, estão o Grande Prêmio da APCA, o Grande Prêmio do Clube de Criação de SP e três prêmios Comunique-se de “melhor diretor do ano”, valendo o título de “Mestre em Jornalismo”.

A pesquisa está aí confirmando o que parecia claro desde domingo (25): a maioria da população viu no evento da Paulista a resistência da força política de Bolsonaro no Brasil polarizado. Evangélicos, brancos e de renda mais alta aparecem como base dessa força.

O que também já vinha sendo claro - confirmado agora pela pesquisa Quaest, com vários dados positivos para Bolsonaro. Mas nem todos, 53% dos entrevistados acham que a Justiça acertou ao decidir tornar Bolsonaro inelegível e não veem perseguição política ao ex-presidente. 

O fato é que a comprovada demonstração de força política de Bolsonaro está aí no ano eleitoral - embora deixando um rastro negativo, segundo a PF, que já incluiu  trechos do discurso nas investigações sobre a tentativa de golpe, por considerar que o ex-presidente reconheceu culpa - interpretação que ele e sua defesa não admitem. 

Na área do STF não faltam sinais e até manifestações, como a de Gilmar Mendes, na mesma linha da PF. E assim as investigações já estão perto da conclusão - e não se considera por lá outra convocação de Bolsonaro para depoimento. E não parece distante a hora do encaminhamento dos possíveis indiciamentos ao PGR.